Dor Ciática

dor-nervo-ciaticoA dor ciática não é uma patologia em si, mas um sintoma manifestado pela dor provocada pela pressão exercida sobre o nervo ciático – o mais longo do corpo humano e que estabelece a ligação entre a coluna e os membros inferiores. Pode ser um indício de outros problemas de saúde e é mais frequente após os 30 anos, altura em que começa o desgaste gradual dos discos vertebrais.

Causas da Dor Ciática

  • Má postura.
  • Esforço muscular.
  • Traumatismo (queda, acidente).
  • Hérnia de disco.
  • Cicatriz (quando a pele cicatrizada exerce pressão sobre o nervo e provoca dor).
  • Infecção na zona inferior da coluna.
  • Tumor espinal.
  • Gravidez (devido à alteração do centro de gravidade, actividade hormonal, aumento de peso).
  • Profissão (condução de veículos ou transporte de objectos pesados).
  • Outras patologias como a diabetes (neuropatias associadas).

Sintomas da Dor Ciática

Os sintomas deste problema podem variar em tipo, gravidade e localização, consoante a patologia que está na sua origem. A dor tem início na coluna e irradia pela zona inferior do corpo (nádega, coxa e ao longo do membro inferior). Os principais sinais são:

  • Dor constante num lado dos membros inferiores (nádega, perna). Embora o nervo ciático se divida pelos dois membros inferiores raramente a dor se manifesta em ambos em simultâneo.
  • Dor que piora quando se está sentado.
  • Dor intensa que dificulta o levantar ou andar.
  • Fraqueza muscular.
  • Ardor ou formigueiro ao longo da perna.
  • Dormência.

Deve procurar ajuda médica se apresentar os seguintes sintomas:

  • Dor que se agrava com o passar dos dias.
  • Fraqueza acentuada.
  • Dor ciática em ambos os membros inferiores, provocando incontinência (urinária e fecal). Pode ser indício de síndrome de cauda equina, uma patologia rara que afecta o nervo.
  • Perda de sensibilidade nos membros

CIaticaTratamento da Dor Ciática

O repouso não é a melhor estratégia para combater a dor ciática, pois há o risco de agravar os sintomas e de favorecer a imobilização. Se a dor ciática não melhorar ou desaparecer após alguns dias, ou se houver um agravamento de algum dos sintomas, é obrigatória a observação médica.

Os principais métodos para tratar este problema são:

  • Aplicação de frio ou quente.
  • Prática de exercícios físicos suaves na água (hidroterapia), em bicicleta estática ou alongamentos.
  • Toma de fármacos (analgésicos para atenuar a dor, anti-inflamatórios, relaxantes musculares, entre outros, em função da patologia na origem).
  • Fisioterapia para correcção da postura e melhoria da flexibilidade.
  • Massagem de relaxamento.
  • Terapias alternativas como Osteopatia ou Acupunctura.
  • Cirurgia (por exemplo, no caso de hérnia de disco).

A manifestação das emoções no corpo

Quando não temos consciência do que reprimimos, o corpo manifesta-se! Tome atenção aos sinais!

“Você já pensou que somos seres completos e tudo o que nos compõe – corpo, mente e espírito – é ligado de tal forma que a deficiência de um pode afectar os demais?

A conclusão da doutora em psicologia Susanne Babbel.

Depois de um minucioso estudo, a dra. Babbel concluiu que boa parte das dores crônicas que sentimos não tem nada a ver com doenças graves ou lesões anteriores.

Ela acredita que adquirimos a maioria das dores com emoções negativas  – como o stress – que acabam afretando alguns órgãos.

Viu como a mente é poderosa?

O estudo da psicóloga resultou num “mapa” que mostra como as emoções interferem na saúde.

Este post vai mostrar a você esse “mapa” e como você pode tratar e neutralizar os efeitos negativos das emoções.

1 – Dor de cabeça: na maioria das vezes, a dor na cabeça (ou enxaqueca) acontece por causa da pressão do dia a dia, o stress e a sobrecarga de actividades.

Continuar a ler

6 características de uma “boa” prática de massagem terapêutica

massagem-costa

“Se sempre gostou de receber massagens (de diferentes estilos e nomes, diferentes escolas de pensamento de várias regiões do mundo, a 1 mão a 4 mãos, etc..) estes 6 critérios ajudarão a decidir se de facto a pessoa que lhe está a fazer uma massagem sabe bem o que está a fazer ou está simplesmente a executar alguma rotina ensaiada de um qualquer livro ou curso que tenha tirado.

1. Toque confiante
O primeiro momento em que o seu terapeuta coloca as mãos no seu paciente irá dizer tudo sobre a comunicação inicial que se quer transmitir. Quando o toque não é confiante, nem mostra experiência, será algo do género, “ummm… deixa ver….talvez deva ir por aqui, não, talvez não, se calhar vou mais assim…”
Como paciente, deste modo é difícil relaxar e deixar a massagem fluir com naturalidade e confiar na pessoa que lhe está a massajar. Quando o toque é confiante será algo do género, ” estou aqui, sei o que estou a fazer, sei exactamente o que vou fazer consigo”.
Um toque confiante mostra ao paciente que se tem um plano de tratamento para o que o está a incomodar.
Todas as interacções entre as mãos do terapeuta e a pessoa que está a ser massajada fazer sentido e tem um propósito, isto encoraja um maior relaxamento e a resolução do problema de uma forma mais eficaz.

2. Continuidade do toque
De todas as vezes que o terapeuta retira as mãos do paciente existe uma noção de separação e perda de continuidade e conexão na massagem. Obviamente que numa boa massagem existem momentos onde exista uma troca de mãos, aplicação de mais óleo, técnicas onde tenha que haver uma separação de alguns segundos, mas tudo terá um propósito dentro do contexto da massagem.
Quando esta desconexão ocorre demasiadas vezes e sem ritmo e lógica associada perde-se uma ligação profunda com o toque e que estraga uma potencial boa massagem.
Quando se está mais tempo fora do corpo do que em contacto com ele nunca será um bom sinal de que está em contacto com um bom terapeuta de boa formação. Mostra insegurança e falta de experiência e impede-nos de relaxar como receptor.
Um terapeuta de massagem com um toque contínuo e fluído consegue induzir um maior estado de relaxamento.

3. Movimentos completos na mesma área
Quando um terapeuta está a trabalhar numa mesma linha do corpo, geralmente é agradável quando essa linha é massajada até ao fim de uma forma contínua.
Existem algumas técnicas em que isso não acontece, de facto. Mas torna-se “estranho” quando uma área massajada é interrompida e salta para outra diferente.
Algo fica incompleto e para um paciente isso sente-se. Por exemplo, técnica clássica de massajar os músculos ao longo da coluna com as duas mãos em direcção descendente, se este movimento for interrompido a meio algo não faz sentido, não sabe tão bem como o movimento completo até à base da coluna.
O ideal será ao iniciar uma área ir até ao final sem interrupções.

4. Entrar no músculo na velocidade certa e profundidade adequada
0067_20120612110422Alguns terapeutas tornam-se muito entusiastas e querem logo impor o seu estilo de massagem mais forte logo no inicio. Mas todos os pacientes têm o seu ritmo próprio de serem massajados e isso tem que ser compreendido.
Quando se tenta entrar muito rápido e com muita força o corpo cria uma barreira defensiva e torna-se mais tenso.
Quando um terapeuta “sente e escuta” bem o corpo do paciente tenta entrar e pressionar o corpo de uma maneira adequada e que faça sentido.
Quando torna-se difícil entrar no corpo fará mais sentido um terapeuta massajar outro lado e deixar aquela zona em paz e mais tarde voltar e ver como ficou depois e aí tentar outra vez nessa área. Uma boa massagem não precisa de ser dolorosa, nem tão pouco precisa de ser “festinhas”.

5. Sensibilidade e Diálogo
Uma boa massagem é percepcionada pelo terapeuta também. Para quebrar as expectativas pode-se perguntar se a massagem obedece ao que a pessoa estava à espera, se a intensidade é adequada e se a técnica está ajustada.
Deverá haver humildade para ajustar o que quer que seja (conforto, temperatura, técnica, intensidade, etc.) para ajudar a uma melhor experiência de massagem.

6. Presença Constante
Um terapeuta devoto irá sempre esquecer as suas prioridades e dedicar-se totalmente ao seu paciente. Estará de fora as suas necessidades. Raramente fará “fazer conversa de sala” ou falará sobre as últimas notícias de actualidade. Adaptará o estilo de massagem à pessoa que tem à frente e as suas necessidades.
A sua presença poderá se notar mais pelas suas habilidades com mãos do que pelos seus skills de “entertainer”.
Um bom terapeuta também aceitará críticas e sugestões para tornar a massagem mais agradável.

No fim, todos gostamos de uma boa massagem, tenha espírito crítico e sempre que receber de alguém ou fazer uma massagem seja exigente e espere sempre a excelência.”

O que é a Fibromialgia?

fibriomialgia

“Fibromialgia é uma”dor nos músculos e nos tecidos fibrosos” (ligamentos e tendões). A doença se caracteriza por uma dor espalhada por todo o corpo. Sempre existiu, mas só foi oficialmente reconhecida em 1981, num congresso de medicina nos Estados Unidos.

Sintomas Dores: começam numa área específica – o ombro ou a coluna lombar, por exemplo – e depois se estendem para todo o corpo; o paciente sente uma rigidez generalizada do corpo, ao se levantar de manhã, e inchação nas mãos e nos pés. Também se notam formigamentos nas mãos e cansaço (se mantêm durante quase todo o dia, semelhante à fadiga crônica) .
A vítima se sente como se estivesse totalmente sem energias. Sofre enxaquecas, dores na menstruação e secura na boca; ansiedade e depressão; insônia: com dores pelo corpo todo, a pessoa não encontra uma posição confortável para dormir.

As mulheres são as maiores vítimas da Fibromialgia. Esta doença é oito vezes mais freqüente em mulheres do que em homens.

Diagnóstico: O exame é feito com o tato, pois a vítima tem um nódulo (caroço) na junção entre o nervo e o músculo. O nódulo funciona como um “ponto de gatilho” da dor: ou seja, sempre que ele é pressionado surgem dores. O médico só consegue identificar a enfermidade pressionando-o, com o polegar. São 18 pontos pré-determinados do corpo. Se pelo menos 11 pontos estiverem doloridos, a doença é diagnosticada.

Localização da dor: 

Pacientes com fibromialgia têm dor em pelo menos 11 dos seguintes 18 locais sensíveis (um em cada lado do corpo):

1. Base do crânio onde o músculo suboccipital se insere.
2. Atraz na parte baixa do pescoço (espaço inter-transverso anterior de C5-C7).
3. Ponto central dos ombros superiores (trapezius).
4. Na parte de traz no meio da omoplata.
5. No tórax onde a segunda costela se prende ao osso do peito (esterno).
6. Uma polegada abaixo na parte de fora de cada cotovelo (epicondile lateral).
7. Quadrante exterior superior das nádegas.
8. Justo atraz da inchação no osso superior da perna, debaixo do quadril (proeminência trochantérica).
9. Na parte interior de ambos os joelhos (gordura mediana protetora próxima da linha da junta).
Causas: O ser humano tem mecanismos para sentir dores e para se proteger delas. O mecanismos que regula a sensação de dor é uma substância chamada serotonina. Numa pessoa saudável, quando o corpo se exercita, ou se movimenta, o organismo produz automaticamente a serotonina para proteger os músculos de dores. Quem tem fibromialgia produz – por motivos que a ciência ainda não sabe explicar – pouca serotonina. Assim, basta uma pequena sobrecarga das articulações, uma leve movimentação do corpo, para que a dor comece.
Fatores que desencadeiam a doença
Externos: Clima úmido; sedentarismo (falta de exercícios); postura incorreta.
Internos: Depressão; ansiedade; problemas emocionais.

Pontos do exame feitos pelo médico: Pescoço, cotovelos e joelhos

Tratamento: Antes de tudo, é preciso manter hábitos saudáveis, como procurar dormir bem. Isto é fundamental na terapia. O lado psicológico não pode ser esquecido: a paciente precisa ocupar o seu tempo com actividades que a façam se sentir útil, para não se entregar à doença e recuperar o prazer de viver.

A massagem é um bom tratamento, desde que seja leve, sem pressionar demais os músculos, para não agravar as dores, mas o exercício ideal seria a Hidroginástica e devendo ser praticada em águas aquecidas, pois o paciente com fibromialgia não suporta a dor se for submetido a exercícios em água fria. Ainda devem ser ministrados bastante alongamentos para que os músculos sejam estimulados a reabilitação ”

http://blogfisiobrasil.blogspot.com.br/- fonte