O stress e estratégias para o superar

“A vida nos dias que correm, nem sempre é fácil. Estamos sujeitos a uma série de possíveis fontes de stress. Mas é a forma como lidamos com os problemas, com essas fontes de stress, que determina o quanto a nossa felicidade pode ser afectada. Noto que cada vez mais, surge um grupo de pessoas que não se conforma em viver ao sabor da corrente. Não ficam imersos num stress constante, antes lutam para levar uma vida mais calma e feliz. E tu, estás disposto(a) a arregaçar mangas e a lutar por uma vida melhor?

Afinal, o que nos faz sentir stressados?

Existe uma enorme variedade de possíveis causas, mas estas são as que as pessoas relatam com mais frequência:

1.º preocupações com o dinheiro;

2.º problemas no trabalho;

3.º o estado da economia.

Há muitos stressados por aí?

Na realidade, 7 em cada 10 adultos dizem sentir stress diariamente. Mas as mais afectadas são as mulheres. Cerca de 24% sentia-se extremamente stressadas no último mês (contra 17% dos homens).

Agora um facto animador, no qual deves meditar.

85% das coisas que nos preocupam, não chegam a acontecer. E mesmo quando as nossas preocupações se concretizam, cerca de 80% das pessoas dizem que lidaram melhor com o problema, do que alguma vez haviam imaginado.

Um sinal de alerta!

Quase metade dos adultos (46%) referiram que, no último mês, perderam a paciência ou gritaram com o(a) seu(sua) esposo(a), companheiro(a) ou filhos, quando se sentiram stressados. Um motivo de sobra para aprender a gerir o stress!

O stress no trabalho

40% dos trabalhadores referem que o seu trabalho é muito ou extremamente stressante.

O que nos stressa no trabalho?

46% das pessoas refere a carga excessiva de trabalho;

28% problemas com outras pessoas;

20% dificuldades em equilibrar o trabalho com a vida pessoal;

6% falta de segurança no trabalho.

Conseguimos desligar-nos do trabalho, quando não estamos a trabalhar?

59% de nós costuma verificar o e-mail do trabalho nos feriados/férias em que se costuma estar em família (Natal, Páscoa, férias grandes,etc.);

41% refere que esses e-mails relacionados com o trabalho e lidos nessas ocasiões especiais, os fazem sentir aborrecidos, frustrados ou ressentidos.

Como combater o stress no trabalho?

1 – Gerindo o tempo de trabalho de forma mais eficaz – isto faz-te sentir menos sobrecarregado(a) e mais produtivo(a);

2 – Organizando o teu espaço de trabalho – o facto de te livrares da tralha no escritório ajuda à tua concentração e produtividade e ainda reduz a sensação de stress;

3 – Faz um passeio pela Natureza – passear no intervalo ou após o dia de trabalho, pelo meio da natureza, reduz a fadiga, frustração e raiva e ainda faz emergir emoções positivas;

4 – Nos momentos mais complicados, telefona a um amigo ou desabafa com um colega de trabalho de confiança – o apoio social previne o “burnout” (esgotamento físico e mental) associado ao trabalho;

5 – Coloca um vasinho com uma planta no teu espaço de trabalho – o simples facto de teres plantas no teu espaço de trabalho pode baixar o teu stress e aumentar a concentração;

6 – Quando não estás no trabalho, desliga-te do mesmo (deixa previamente tudo preparado, para que não tenham de te incomodar e para ficares mais descansado/a) – esta é uma forma de dares a ti mesmo descanso físico e mental, o que acaba por ser benéfico para o teu próprio trabalho, pois este revigoramento aumenta a produtividade. Em países altamente desenvolvidos como a Dinamarca esta é uma atitude comum… e os trabalhadores mantêm a sua produtividade tão ou até mais elevada do que noutros países onde esta prática não é utilizada.

Consequências do stress na saúde

O stress crónico, aquele que se prolonga no tempo, é nefasto para a saúde em geral, podendo causar uma série de problemas, tais como:

1 – enfraquecimento do sistemas imunitário (logo, tens mais probabilidade de adoecer com frequência);

2 – perturbações gastrointestinais;

3 – hipertensão e problemas cardiovasculares;

4 – dores de cabeça;

5 – alergias;

6 – perturbações respiratórias;

7 – dores e tensões musculares;

8 – doenças inflamatórias;

9 – redução do desejo sexual;

10 – oscilações no peso corporal (algumas pessoas ficam com um apetite voraz, enquanto outras se encontram no extremo oposto, perdendo o apetite);

11 – problemas de pele;

12 – insónias ou sono pouco reparador;

13 – maior probabilidade de ocorrências de erros ou acidentes;

14 – envelhecimento mais acelerado;

15 – perturbações psicológicas (ex.: ansiedade, estados depressivos, etc.);

16 – dificuldades de concentração, memória e raciocínio.

Estratégias para superar o stress

O que costumamos fazer para gerir o stress?

1 – ouvir música;

2 – praticar exercício físico ou simplesmente sair para uma caminhada;

3 – navegar na Internet (atenção, que a navegação excessiva, pode provocar o efeito adverso);

4 – ver televisão ou assistir a filmes (atenção, que isto resulta no máximo até 2h, depois disto, pode ter o efeito adverso);

5 – ler.

Uma estratégia que resulta!

68% das pessoas que visitam um profissional da saúde mental, em busca de ajuda para gerirem melhor o stress, referem que os resultados são extremamente bons ou muito bons!

Estratégias que, segundo a ciência, resultam:

RECEBER UMA MASSAGEM

Receber uma massagem pode reduzir a hormona do stress, o cortisol, em 1/3, e aumenta os químicos do bem-estar no cérebro (serotonina e dopamina) na mesma proporção.

MEDITAR

Foi demonstrado que a meditação mindfulness, ou atenção plena, consegue reduzir os níveis de stress diário em 39%.

Para além disso, as pessoas que praticam meditação numa base diária, com o passar do tempo, tornam mais activas as áreas cerebrais relacionadas com o optimismo e a felicidade.

SORRIR

Sorrir reduz a intensidade das respostas do teu corpo ao stress.

RIR


O riso é mesmo o melhor remédio! Ora vejamos:

– aumenta as endorfinas libertadas pelo cérebro;

– suaviza a tensão no teu corpo;

– acalma a tua resposta ao stress.

Assim, adiciona um pouco de humor ao teu dia-a-dia:

– Lê textos com sentido de humor e/ou banda desenhada cómica;

– Assiste a filmes cómicos no youtube ou na TV;

– Assiste a stand-up comedy;

– Ri-te de ti mesmo(a);

– Convive mais com amigos bem humorados.

PRATICAR EXERCÍCIO FÍSICO

O exercício também tem um efeito bastante eficaz na redução do stress:

– reduz os níveis das hormonas do stress;

– estimula a produção dos químicos do bem-estar no cérebro;

– melhora a tua auto-confiança;

– permite que te abstraias das preocupações.

PASSAR TEMPO COM AMIGOS OU FAMILIARES QUE TE APOIAM

As verdadeiras amizades dão-nos o suporte emocional, que nos ajuda a superar mais facilmente os momentos difíceis. Acreditas que esse suporte é fundamental para te manteres saudável? A verdade é que as boas amizades fortalecem o sistema imunitário, o que por sua vez, conduz à melhoria da situação de saúde, recuperação mais rápida pós doença e aumento da longevidade.

PRATICAR A ESPIRITUALIDADE

Acreditar em algo superior a nós, permite-nos encontrar força para enfrentarmos os problemas. Permite-nos ter mais calma na adversidade e fé num futuro melhor.

APRECIAR AS PEQUENAS COISAS

O acto de saborear as pequenas coisas boas da vida ajuda-nos a diminuir o stress. Um estudo recente concluiu que as pessoas que têm esta capacidade para saborear, têm menos dificuldades em equilibrar a vida profissional com a vida familiar.

PRATICAR GESTOS DE BONDADE

78% das pessoas que praticaram voluntariado ou gestos de bondade frequentes, no último ano, referem que sentiram os seus níveis de stress baixar.

Se te sentes numa eterna correria, pode parecer estranho, mas tenta praticar voluntariado. Estudos mostram que doar um pouco do nosso tempo, na verdade, faz-nos sentir que temos mais tempo disponível (e isso equivale a menos stress). Para além disso, fazer bem aos outros, acaba por ser mais benéfico a quem o pratica do que ao receptor desses gestos de bondade. É caso para dizer “há mais alegria em dar do que em receber!“.

Fontes: Happify; Rodrigues, Vítor; Tranquila-mente; A Esfera dos Livros, 1.ª edição; Lisboa, 2013. Mellin, Laurel; A Inteligência das Emoções; Matéria-Prima Edições, 1.ª edição; Lisboa, Maio de 2011.

Foto: 1.ª Betty Nudler; 2.ª Nick J. Webber; 3.ª Andreas Ivarsson; 4.ª Mateus Lunardi Dutra; 5.ª Sarah; 6.ª Valeri Pizhansky; 7.ª Lionel Fernandez Roca; 8.ª Jan Placek; 9.ª Bethan.

Fonte: manualdafelicidade

Anúncios