O ADN e a sua importância

“Nosso DNA é um biocomputador”, dizem cientistas russos.

Pesquisas científicas estão explicando os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.
 
Quando os cientistas começaram a desvendar o mundo da genética, compreenderam a utilidade de apenas 10% do nosso DNA.
 
O restante (90%) foi considerado “DNA LIXO”, ou seja: sem função alguma para o corpo humano.
DNA-molecules-and-men
 
Porém, este fato foi motivo de questionamentos, pois alguns cientistas não acreditaram que o corpo físico traria algum elemento que não tivesse alguma utilidade.
 
E foi assim que o biofísico russo e biólogo molecular Pjotr Garjajev e seus colegas iniciaram pesquisas com equipamentos “de ponta”, com a finalidade de investigar os 90% do DNA não compreendido.
 
E os resultados apresentados são fantásticos, atingindo aspectos antes considerados “esotéricos” do nosso DNA.
 
O QUE AS PESQUISAS ESTÃO CONCLUINDO?
 
1. O DNA tem capacidade telepática
 
A partir das últimas pesquisas, cientistas concluíram que o nosso DNA é receptor e transmissor de informações além do tempo-espaço.
 
Segundo essas pesquisas, o nosso DNA gera padrões que atuam no vácuo, produzindo os chamados “buracos de minhoca” magnetizados! São “buracos de minhocas” microscópicos, semelhantes aos “buracos de minhocas” percebidos no Universo.
 
Sabe-se que “buracos de minhocas” são como pontes ou túneis de conexões entre áreas totalmente diferentes no universo, através das quais a informação é transmitida fora do espaço e do tempo.
 
Isto significa que o DNA atrai informação e as passa para as células e para a consciência, uma função que os cientistas estão considerando como a internet do corpo físico, porém muito mais avançada que a internet que entra em nossos computadores.
 
Esta descoberta leva a crer que o DNA possui algo que se pode chamar de telepatia interespacial e interdimensional. Em outras palavras, O DNA está aberto á comunicações e mostra-se suscetível a elas.
 
Pesquisas relacionadas à recepção e transmissão de informações através do DNA estão explicando os fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos de cura e autocura e outros.
 
2. Reprogramação do DNA através da mente e das palavras
 
O grupo de Garjajev descobriu também que o DNA possui uma linguagem própria, contendo uma espécie de sintaxe gramatical, semelhante á gramática da linguagem humana, levando-os a concluir que o DNA é influenciável por palavras emitidas pela mente e pela voz, confirmando a eficácia das técnicas de afirmação, de hipnose (ou auto hipnose) e de visualizações positivas.
 
Esta foi uma descoberta impressionante, pois diz que se nós adequarmos as frequências da nossa linguagem verbal e das imagens geradas por nosso pensamento, o DNA se reprogramará, aceitando uma nova ordem e uma nova regra, a partir da ideia que está sendo transmitida.
 
O DNA, neste caso, recebe a informação das palavras e das imagens do pensamento e as transmite para todas as células e moléculas do corpo, que passam a ser comandadas segundo o novo padrão emitido pelo DNA.
 
Os cientistas russos estão sendo capazes de reprogramar o DNA em organismos vivos, usando as frequências de ressonância de DNA corretas e estão obtendo resultados bastante positivos, especialmente na regeneração do DNA danificado!
 
Utilizam para isso a Luz Laser codificada como a linguagem humana para transmitir informações saudáveis ao DNA e essa técnica já está sendo aplicada em alguns hospitais universitários europeus, com sucesso em vários tipos de câncer de pele. O câncer é curado, sem cicatrizes remanescentes.
 
3. O DNA responde a interferências da Luz Laser
 
Continuando nessa linha de pesquisas, o pesquisador russo Dr. Vladimir Poponin, colocou o DNA em um tubo e enviou feixes de Luz Laser através dele. Quando o DNA foi removido do tubo, a Luz Laser continuou a espiralar no DNA, formando como que pequenos chacras e um novo campo magnético ao redor do mesmo, maior e mais iluminado que o anterior.
 
O DNA mostrou-se agir como um cristal quando faz a refração da Luz, concluindo que o DNA irradia a Luz que recebe.
 
Esta descoberta levou os cientistas a uma maior compreensão sobre os campos eletromagnéticos ao redor das pessoas, assim como também compreenderam que as irradiações emitidas por curadores e sensitivos acontecem segundo esse mesmo padrão: receber e irradiar, aumentando e preenchendo com Luz o campo eletromagnético ao redor.
 
adn
Assuma o Comando do seu Ser!
 
As pesquisas estão ainda em fases iniciais, e os cientistas acreditam que ainda vão descobrir muitas outras coisas interessantes!
 
Por enquanto, as conclusões nos estimulam a continuarmos com as técnicas de afirmações positivas, cuidando dos nossos pensamentos e das imagens por ele geradas, a fim de que as transmissões sejam correspondentes a saúde, ao bem estar e a harmonia, enviadas não apenas ao DNA como também para todo o corpo!
 
Tenho certeza de que o nosso DNA agradece por suas informações positivas transmitidas a ele!
 
Que tal melhorar as suas transmissões verbais e mentais?
 
Comunique-se positivamente com seu corpo e reprograme seu DNA!

Nota:Todas as informações do texto acima estão contidas no livro “Vernetzte Intelligenz” von Grazyna Fosar und Franz Bludorf, ISBN 3930243237, resumidos e comentados por Baerbel.”

Fonte: https://www.osolinterno.com

Anúncios

A importância de psico-oncologia

O processo da doença oncológica envolve muitos factores que envolvem o próprio doente, assim como toda a estrutura humana que o rodeia.

Teremos que entender que pelo tipo de vida que hoje vivemos há uma maior probabilidade de mais pessoas perderem qualidade de vida, e a própria vida, para esta doença / patologia.

Entendo que, pelos processos de desenvolvimento da doença, uma equipa multidisciplinar que cuide e trate do doente de forma integral será sempre a melhor opção.

Dotar também os cuidadores, que nem sempre são os familiares, de ferramentas ligadas à psicologia, assim como outras terapêuticas será uma forma de ajudar o doente pela sua viagem em que terá o cancro como companheiro.

Dos processos estudados em relação à forma como o doente e familiares lidam com a nova realidade, por experiência própria dos meus atendimentos, verifico que também as terapias complementares / alternativas aliadas à medicina alopática, psicologia clínica e familiar, assim como psicoterapias darão uma maior avanço à área da psico-oncologia.

Como musicoterapeuta / terapeuta de som, socorro-me muitas vezes da literatura da psicologia e das patologias oncológicas para que possa tratar e cuidar de cada Ser / paciente tal como ele é, único.

Todos os dias somos Seres diferentes e um paciente com cancro, ou que esteja em remissão, lida ainda mais com essas mudanças da incerteza do que vai ser a cada novo dia.

Com a doença, na maior parte das vezes os papéis familiares sofrem alterações, e o que mais verifico é o esgotamento físico, psicológico e emocional dos familiares e cuidadores informais.

Contudo também assisto ao mesmo esgotamento e, por vezes até mesmo desalento, em profissionais de saúde que lidam com esta doença.

Aqui, sinto que a psicologia é a palavra de ordem para que toda a rede que “suporta” o cancro tenham mais saúde, a todos os níveis.

psico-oncologia-1300x709.jpg
Com o avanço científico e tecnológico tratamos e erradicamos cada vez mais com sucesso o cancro fisicamente, mas não tratamos igualmente bem e tão eficazmente as feridas psicológicas e emocionais que a doença deixa no doente e na sua rede de suporte.

 

É ténue a forma como a psicologia chega à verdadeira dor do doente, de alguém a quem foi “amputada” parte da vida.

Há também casos de sucesso e inspiração. Penso que por se sentirem cuidados e acolhidos muitos doentes, mais tarde usam essa aprendizagem e “compreensão” da doença para se tornarem psicólogos, coachs e demais, ajudando assim, quer profissionalmente ou pessoalmente, outros doentes partilhando a sua história de vida.

Nem todos os casos que conheci, terminaram com um “final feliz”, mas quase todos os pacientes com quem lidei e, que tiveram um “bom” acompanhamento psicológico e espiritual, a maioria teve mais qualidade de vida e paz até ao seu último suspiro.

Esta reflexão foi escrita no âmbito do curso de “Introdução à Psico-Oncologia” realizado em Abril de 2019

Um abraço sonoro
Rui Miguel Cardoso
Consultor, Terapeuta e Facilitador de Som

O Ser… mil e uma coisas

QUANTOS SERES SOMOS DURANTE O DIA?

No corre-corre das mil e uma coisas para fazer, que tempo nos sobra para sermos quem somos?

Por vezes, e com a experiência dos meus atendimentos, verifico que muito do mal-estar que alguns dos pacientes apresentam tem que ver com o facto de já nem saberem quem são na essência. Desligaram-se da sua verdadeira personalidade.

Actualmente, a sociedade impele-nos a ser apenas uma resposta às suas exigências, às formas de estar e fazer incutidas por outras pessoas.

No fundo, durante apenas um dia, somos tantas coisas e traços de personalidade que, no final do dia, já nem sabemos se fomos um bom companheiro, progenitor, filho, amigo ou profissional.

AFINAL, QUEM E O QUE SOMOS?

A VIDA É PARA SER VIVIDA NA PRIMEIRA PESSOA. QUEM PODE SER PARA ALGUÉM, SE NÃO O É PRIMEIRO?

Somos a pessoa mais importante da nossa vida. Também a mim, a vida tem ensinado isso, contudo, continuamos viciados na adrenalina do carrossel de muito satisfazer as vontades e necessidades dos outros, muitas vezes por falta de amor-próprio.

Tenho pacientes que, desde que foram pais, perderam-se de si mesmos, perderam-se na relação, nas amizades, perderam-se no primeiro amor, que é amarmo-nos primeiro. Talvez por isso se sintam culpados quando precisam para si mesmos de uma hora, isto para aqueles que a conseguem “ter” e se permitem usufruir da mesma.

Como terapeuta, constato que as minhas consultas são os únicos momentos em que alguns pacientes estão realmente a cuidar de si. Geralmente pelas razões menos boas, pois quando me procuram, o desequilíbrio foi somatizado em patologia e transformado em dor, seja física ou emocional.

Viver 24 horas sobre 24 horas em prol de outros é matar a nossa individualidade.

Os filhos crescem e um dia terão a sua independência, os trabalhos mudam, os relacionamentos transformam-se e, nisto tudo, quem fomos verdadeiramente no decorrer da nossa existência?

Quantos não se permitem a ter um momento a sós consigo mesmos pela pressão de que estão a “perder tempo”, por pensarem que estão a ser egoístas não passando esse tempo com os filhos, família ou amigos? Pois bem, se não tivermos esse tempo para nós, dificilmente estaremos bem com quem nos rodeia e tudo começará a ser obrigação.

Dedicar 30 minutos por dia para estarmos fisicamente sós – a ler, escutar música, caminhar, meditar, fazer um hobby ou outra actividade que nos dá alegria – não é egoísmo, é sinónimo de sanidade mental.

Não fomos desenhados para estar constantemente rodeados de pessoas, em regime de confidência. Os maiores problemas que temos e muito do mal-estar que sentimos têm mais que ver com a forma como nos relacionamos uns com os outros do que com algo interno nosso. Todas as interacções com outras pessoas nos mudam e têm impacto em nós.

Aquele berro em tom de raspanete que demos ontem ao nosso filho poderia ser evitado se todos os dias tivéssemos um momento de tranquilidade interna, um momento a sós.

Ter outro ser humano dependente de nós é algo que nos transforma, que nos traz os medos, as noites em branco, a ansiedade e sensação de que tudo na sua vida devia ser perfeito. Queremos ser mais perfeitos e melhores que os nossos pais.

Contudo, essa ideia de perfeição só existe na nossa cabeça e sabemos intuitivamente que o que as crianças mais precisam durante os primeiros anos de vida é de amor incondicional, uma sensação de segurança, bons exemplos de vida e que a energia que as rodeia seja harmoniosa.

Se vivemos em constante stress e ansiedade de sermos mais e fazermos mais, será que conseguimos emitir essa boa vibração de que as crianças tanto precisam?

Deixo-vos com esta reflexão e com esta questão:

quando foi a última vez que realmente observaram o mar?

21729489_10155654911463407_1217654694_n
Um abraço sonoro,
Rui de Almeida Cardoso (14 de Setembro 2017