MASSAGEM TERAPÊUTICA E OS SEUS BENEFÍCIOS

“A Massagem terapêutica tem sido estudada cientificamente por muitos anos. Tem apresentado muitos efeitos positivos em uma variedade de condições de saúde. Teve suas raízes com Pehr Henrique Ling em 1813, ganhou força e maior arsenal terapêutico com o Dr. Mezger da Holanda. A partir da massagem terapêutica, diversos profissionais e o próprio público em geral, passou a mudar o olhar com relação a profissão. Em 1916, com as pesquisas sobre efeitos fisiológicos o Dr. Mennell, reconhece os benefícios e efeitos já ditos por Ling 100 anos antes.

Massagem-Terapeutica

Tais efeitos eram: mecânicos, fisiológicos e Reflexos. Em 1950, Gertrud Beard propõe seu próprio método de massagem Terapêutica, fugindo das propostas de Ling, Mezger e Mennell, entretanto, a massagem dita terapêutica, possuía um arsenal próprio, com princípios e praticas especificas. Muito utilizado por médicos e práticos esse sistema ficou com os massoterapeutas.

Há muitos aspectos positivos da massagem. Um dos mais importantes benefícios da massagem é um aumento da circulação, que podem acelerar a cura e melhorar a recuperação, que foi preconizado por Ling em 1813. Outro aspecto é o conhecimento da natureza dos tecidos, campo especifico da massoterapia, onde a massagem terapêutica ganha respaldo.
Preconizado por Boris Chaitow, Stanley Lief e Cyriax.

Hoje em dia, pesquisas científicas mostram claramente muitos benefícios da massagem na nossa saúde e bem-estar, dentre elas:
Benefícios da Massagem
• Alivia o stress e promove uma sensação geral de relaxamento, ajudando você a respirar e se mover mais facilmente
• Alivia a dor e a tensão, e ajuda a gerenciar melhor a dor
• Reduz a inflamação
• Promove a rápida recuperação de lesões (trabalho, trauma, acidente ou desportivas)
• Aumenta a mobilidade e permite uma maior flexibilidade articular e amplitude de movimento
• Melhora a circulação
• Melhora e fortalece o sistema imunológico
• Alivia problemas oste-omusculares e melhora a postura
• alivia os desconfortos da gravidez
• Reduz a ansiedade e promove uma sensação geral de bem-estar
• Aumenta a consciência corporal

Massagem terapêutica e Condições de Saúde
Além de ser muito eficaz no alívio do stress, há muito a pesquisa científica que mostra como a massagem pode ajudar com uma variedade de condições de saúde, incluindo:
• Ansiedade e depressão
• Artrite
• Dor nas Costas
• Síndrome do túnel cárpico
• A dor crónica e aguda
• problemas circulatórios
• Depressão
• desordens digestivas
• Fibromialgia
• Doenças músculo-esqueléticas
• Dor
• Distúrbios do Sono
• Lesões desportivas
• Stress
• Tendinite
img_massagem_terapeutica
Segundo Tifany Field do Instituto do Toque em Miami, a massagem terapêutica possui escopo de estudo especifico e requer dedicação por parte do terapeuta. Nela são encontradas as seguintes técnicas: DLM, massagem sueca modificada, técnicas de fricções diversas, manobras de compressão, cinesiologia e etc.
Os terapeutas de massagem irão usar uma variedade de técnicas para promover a cura e relaxamento, bem como promover uma maior flexibilidade e amplitude de movimento. Quando um grupo específico do músculo está lesionado ou contraturados, outros músculos ao redor da área afretada também ficam atingindos em resposta a ferimentos ou contracções.

É necessário também estudo sobre miologia, que é fundamental para formação do profissional. Segundo L.Chaitow a massagem terapêutica foi o sistema que mais elevou a profissão em todo o mundo, mas requer treinamento nos fundamentos suecos e da anatomia e fisiologia sem deixar o estudo de patologias. Não podemos aceitar a massoterapia sem escopo de estudo com carga horária de anatomia e fisiologia, sem levar em consideração matérias como biossegurança, orientação em saúde, citologia e histologia…
Massagem terapêutica é área de saúde e, portanto, com formação técnica.”

Fonte Touch Tiffany Field, MIT Press, 2001

Coisas que um massagista sabe sobre si em apenas uma hora

“Além de aliviar a tensão muscular e de ajudar a se recuperar de lesões, seu massagista descobre muito mais coisas sobre você e sobre a sua saúde em apenas uma sessão.

massagem-costa
Na hora que passa deitado na maca, recebendo uma massagem, o seu corpo revela muito mais do que o stress muscular que pediu para aliviar.

O site Rodale’s Organic Life falou com alguns massoterapeutas sobre o que eles conseguem perceber sobre nós e sobre a nossa saúde durante uma sessão de massagem.

1. Adora bolsas grandes. Se o seu corpo está mais tenso de um dos lados, o terapeuta saberá que muda mais vezes de perna quando está de pé – o que acontece às mulheres que usam bolsas predominante num dos ombro Os sinais que o revelam são o fundo das costas fraco e/ou ter um lado do quadril maior do que o outro. As pessoas que passam o dia sentados em frente ao computador também tendem a ter os glúteos e a pernas mais tensos.

3. Dorme de barriga para baixo. Esta posição gera dor extra no pescoço e os massagistas conseguem sentir a tensão.

4. Dirige muito. Sentar-se ao volante provoca uma postura meio inclinada para a frente. Especialmente os ombros curvados para a frente.

5. Tem uma lesão. Se de fato tiver uma lesão, o terapeuta conseguirá sentir calor e inflamação na zona afectada. Já as lesões crónicas serão perceptíveis devido à formação de músculos desidratados que fazem nós. Com lesões repetitivas fazem com que os tendões e os músculos pareçam cordas ao toque.

6. Está com prisão de ventre. O terapeuta consegue sentir que está com prisão de ventre se o seu estômago estiver firme ao toque.

7. Troca muitas mensagens. Os ‘amantes crónicos’ do telefone e das mensagens de texto vão sentir dor quando o terapeuta lhes massajar os ombros. Isto porque quando está escrevendo no telefone, está com a cabeça para a frente e para baixo, causando um desequilíbrio nos ombros.

8. Bebe pouca água. Alguns pontos na parte superior das costas seriam suaves se tivesse bebido os oito copos de água recomendados por dia.
terapeutica_corpo
9. Está sempre com frio. É instintivo subir os ombros até às orelhas quando se sente com frio. Se costuma ter frio vai estar com o pescoço e o topo dos ombros tensos durante quase todo o inverno.

10. É corredor. O quadril e a parte inferior das costas estarão mais tensas, e provavelmente também terá alguma tensão na planta dos pés.

11. Está com alergias. Se está com alergias ao pó ou a pelo de animais de estimação terá a pele em volta dos olhos, da testa, das bochechas e do queixo macia e inflamada. O mesmo acontece com as glândulas linfáticas do peito, pescoço e axilas.

12. Usa mochila com frequência. As alças da mochila pesada atravessam as omoplatas e os músculos na escápula tornam-se rígidos em resposta à pressão.”
Fonte: http://www.noticiasaominuto.com.br/lifestyle

Dor Ciática

dor-nervo-ciaticoA dor ciática não é uma patologia em si, mas um sintoma manifestado pela dor provocada pela pressão exercida sobre o nervo ciático – o mais longo do corpo humano e que estabelece a ligação entre a coluna e os membros inferiores. Pode ser um indício de outros problemas de saúde e é mais frequente após os 30 anos, altura em que começa o desgaste gradual dos discos vertebrais.

Causas da Dor Ciática

  • Má postura.
  • Esforço muscular.
  • Traumatismo (queda, acidente).
  • Hérnia de disco.
  • Cicatriz (quando a pele cicatrizada exerce pressão sobre o nervo e provoca dor).
  • Infecção na zona inferior da coluna.
  • Tumor espinal.
  • Gravidez (devido à alteração do centro de gravidade, actividade hormonal, aumento de peso).
  • Profissão (condução de veículos ou transporte de objectos pesados).
  • Outras patologias como a diabetes (neuropatias associadas).

Sintomas da Dor Ciática

Os sintomas deste problema podem variar em tipo, gravidade e localização, consoante a patologia que está na sua origem. A dor tem início na coluna e irradia pela zona inferior do corpo (nádega, coxa e ao longo do membro inferior). Os principais sinais são:

  • Dor constante num lado dos membros inferiores (nádega, perna). Embora o nervo ciático se divida pelos dois membros inferiores raramente a dor se manifesta em ambos em simultâneo.
  • Dor que piora quando se está sentado.
  • Dor intensa que dificulta o levantar ou andar.
  • Fraqueza muscular.
  • Ardor ou formigueiro ao longo da perna.
  • Dormência.

Deve procurar ajuda médica se apresentar os seguintes sintomas:

  • Dor que se agrava com o passar dos dias.
  • Fraqueza acentuada.
  • Dor ciática em ambos os membros inferiores, provocando incontinência (urinária e fecal). Pode ser indício de síndrome de cauda equina, uma patologia rara que afecta o nervo.
  • Perda de sensibilidade nos membros

CIaticaTratamento da Dor Ciática

O repouso não é a melhor estratégia para combater a dor ciática, pois há o risco de agravar os sintomas e de favorecer a imobilização. Se a dor ciática não melhorar ou desaparecer após alguns dias, ou se houver um agravamento de algum dos sintomas, é obrigatória a observação médica.

Os principais métodos para tratar este problema são:

  • Aplicação de frio ou quente.
  • Prática de exercícios físicos suaves na água (hidroterapia), em bicicleta estática ou alongamentos.
  • Toma de fármacos (analgésicos para atenuar a dor, anti-inflamatórios, relaxantes musculares, entre outros, em função da patologia na origem).
  • Fisioterapia para correcção da postura e melhoria da flexibilidade.
  • Massagem de relaxamento.
  • Terapias alternativas como Osteopatia ou Acupunctura.
  • Cirurgia (por exemplo, no caso de hérnia de disco).

6 características de uma “boa” prática de massagem terapêutica

massagem-costa

“Se sempre gostou de receber massagens (de diferentes estilos e nomes, diferentes escolas de pensamento de várias regiões do mundo, a 1 mão a 4 mãos, etc..) estes 6 critérios ajudarão a decidir se de facto a pessoa que lhe está a fazer uma massagem sabe bem o que está a fazer ou está simplesmente a executar alguma rotina ensaiada de um qualquer livro ou curso que tenha tirado.

1. Toque confiante
O primeiro momento em que o seu terapeuta coloca as mãos no seu paciente irá dizer tudo sobre a comunicação inicial que se quer transmitir. Quando o toque não é confiante, nem mostra experiência, será algo do género, “ummm… deixa ver….talvez deva ir por aqui, não, talvez não, se calhar vou mais assim…”
Como paciente, deste modo é difícil relaxar e deixar a massagem fluir com naturalidade e confiar na pessoa que lhe está a massajar. Quando o toque é confiante será algo do género, ” estou aqui, sei o que estou a fazer, sei exactamente o que vou fazer consigo”.
Um toque confiante mostra ao paciente que se tem um plano de tratamento para o que o está a incomodar.
Todas as interacções entre as mãos do terapeuta e a pessoa que está a ser massajada fazer sentido e tem um propósito, isto encoraja um maior relaxamento e a resolução do problema de uma forma mais eficaz.

2. Continuidade do toque
De todas as vezes que o terapeuta retira as mãos do paciente existe uma noção de separação e perda de continuidade e conexão na massagem. Obviamente que numa boa massagem existem momentos onde exista uma troca de mãos, aplicação de mais óleo, técnicas onde tenha que haver uma separação de alguns segundos, mas tudo terá um propósito dentro do contexto da massagem.
Quando esta desconexão ocorre demasiadas vezes e sem ritmo e lógica associada perde-se uma ligação profunda com o toque e que estraga uma potencial boa massagem.
Quando se está mais tempo fora do corpo do que em contacto com ele nunca será um bom sinal de que está em contacto com um bom terapeuta de boa formação. Mostra insegurança e falta de experiência e impede-nos de relaxar como receptor.
Um terapeuta de massagem com um toque contínuo e fluído consegue induzir um maior estado de relaxamento.

3. Movimentos completos na mesma área
Quando um terapeuta está a trabalhar numa mesma linha do corpo, geralmente é agradável quando essa linha é massajada até ao fim de uma forma contínua.
Existem algumas técnicas em que isso não acontece, de facto. Mas torna-se “estranho” quando uma área massajada é interrompida e salta para outra diferente.
Algo fica incompleto e para um paciente isso sente-se. Por exemplo, técnica clássica de massajar os músculos ao longo da coluna com as duas mãos em direcção descendente, se este movimento for interrompido a meio algo não faz sentido, não sabe tão bem como o movimento completo até à base da coluna.
O ideal será ao iniciar uma área ir até ao final sem interrupções.

4. Entrar no músculo na velocidade certa e profundidade adequada
0067_20120612110422Alguns terapeutas tornam-se muito entusiastas e querem logo impor o seu estilo de massagem mais forte logo no inicio. Mas todos os pacientes têm o seu ritmo próprio de serem massajados e isso tem que ser compreendido.
Quando se tenta entrar muito rápido e com muita força o corpo cria uma barreira defensiva e torna-se mais tenso.
Quando um terapeuta “sente e escuta” bem o corpo do paciente tenta entrar e pressionar o corpo de uma maneira adequada e que faça sentido.
Quando torna-se difícil entrar no corpo fará mais sentido um terapeuta massajar outro lado e deixar aquela zona em paz e mais tarde voltar e ver como ficou depois e aí tentar outra vez nessa área. Uma boa massagem não precisa de ser dolorosa, nem tão pouco precisa de ser “festinhas”.

5. Sensibilidade e Diálogo
Uma boa massagem é percepcionada pelo terapeuta também. Para quebrar as expectativas pode-se perguntar se a massagem obedece ao que a pessoa estava à espera, se a intensidade é adequada e se a técnica está ajustada.
Deverá haver humildade para ajustar o que quer que seja (conforto, temperatura, técnica, intensidade, etc.) para ajudar a uma melhor experiência de massagem.

6. Presença Constante
Um terapeuta devoto irá sempre esquecer as suas prioridades e dedicar-se totalmente ao seu paciente. Estará de fora as suas necessidades. Raramente fará “fazer conversa de sala” ou falará sobre as últimas notícias de actualidade. Adaptará o estilo de massagem à pessoa que tem à frente e as suas necessidades.
A sua presença poderá se notar mais pelas suas habilidades com mãos do que pelos seus skills de “entertainer”.
Um bom terapeuta também aceitará críticas e sugestões para tornar a massagem mais agradável.

No fim, todos gostamos de uma boa massagem, tenha espírito crítico e sempre que receber de alguém ou fazer uma massagem seja exigente e espere sempre a excelência.”

O que é a Fibromialgia?

fibriomialgia

“Fibromialgia é uma”dor nos músculos e nos tecidos fibrosos” (ligamentos e tendões). A doença se caracteriza por uma dor espalhada por todo o corpo. Sempre existiu, mas só foi oficialmente reconhecida em 1981, num congresso de medicina nos Estados Unidos.

Sintomas Dores: começam numa área específica – o ombro ou a coluna lombar, por exemplo – e depois se estendem para todo o corpo; o paciente sente uma rigidez generalizada do corpo, ao se levantar de manhã, e inchação nas mãos e nos pés. Também se notam formigamentos nas mãos e cansaço (se mantêm durante quase todo o dia, semelhante à fadiga crônica) .
A vítima se sente como se estivesse totalmente sem energias. Sofre enxaquecas, dores na menstruação e secura na boca; ansiedade e depressão; insônia: com dores pelo corpo todo, a pessoa não encontra uma posição confortável para dormir.

As mulheres são as maiores vítimas da Fibromialgia. Esta doença é oito vezes mais freqüente em mulheres do que em homens.

Diagnóstico: O exame é feito com o tato, pois a vítima tem um nódulo (caroço) na junção entre o nervo e o músculo. O nódulo funciona como um “ponto de gatilho” da dor: ou seja, sempre que ele é pressionado surgem dores. O médico só consegue identificar a enfermidade pressionando-o, com o polegar. São 18 pontos pré-determinados do corpo. Se pelo menos 11 pontos estiverem doloridos, a doença é diagnosticada.

Localização da dor: 

Pacientes com fibromialgia têm dor em pelo menos 11 dos seguintes 18 locais sensíveis (um em cada lado do corpo):

1. Base do crânio onde o músculo suboccipital se insere.
2. Atraz na parte baixa do pescoço (espaço inter-transverso anterior de C5-C7).
3. Ponto central dos ombros superiores (trapezius).
4. Na parte de traz no meio da omoplata.
5. No tórax onde a segunda costela se prende ao osso do peito (esterno).
6. Uma polegada abaixo na parte de fora de cada cotovelo (epicondile lateral).
7. Quadrante exterior superior das nádegas.
8. Justo atraz da inchação no osso superior da perna, debaixo do quadril (proeminência trochantérica).
9. Na parte interior de ambos os joelhos (gordura mediana protetora próxima da linha da junta).
Causas: O ser humano tem mecanismos para sentir dores e para se proteger delas. O mecanismos que regula a sensação de dor é uma substância chamada serotonina. Numa pessoa saudável, quando o corpo se exercita, ou se movimenta, o organismo produz automaticamente a serotonina para proteger os músculos de dores. Quem tem fibromialgia produz – por motivos que a ciência ainda não sabe explicar – pouca serotonina. Assim, basta uma pequena sobrecarga das articulações, uma leve movimentação do corpo, para que a dor comece.
Fatores que desencadeiam a doença
Externos: Clima úmido; sedentarismo (falta de exercícios); postura incorreta.
Internos: Depressão; ansiedade; problemas emocionais.

Pontos do exame feitos pelo médico: Pescoço, cotovelos e joelhos

Tratamento: Antes de tudo, é preciso manter hábitos saudáveis, como procurar dormir bem. Isto é fundamental na terapia. O lado psicológico não pode ser esquecido: a paciente precisa ocupar o seu tempo com actividades que a façam se sentir útil, para não se entregar à doença e recuperar o prazer de viver.

A massagem é um bom tratamento, desde que seja leve, sem pressionar demais os músculos, para não agravar as dores, mas o exercício ideal seria a Hidroginástica e devendo ser praticada em águas aquecidas, pois o paciente com fibromialgia não suporta a dor se for submetido a exercícios em água fria. Ainda devem ser ministrados bastante alongamentos para que os músculos sejam estimulados a reabilitação ”

http://blogfisiobrasil.blogspot.com.br/- fonte

HISTÓRIA E ORIGEM DA DRENAGEM LINFÁTICA

Artigo sobre a realidade brasileira, mas a mesma a aplica-se em Portugal. Vale a pena ler.

“Os gânglios linfáticos foram observados primeiramente no ano 450 a.C, quando Hipócrates descobriu este sistema através de dissecações.

Sabemos que hoje em dia, a drenagem linfática é uma das terapias complementares mais amadas e procuradas pelas mulheres brasileiras devido seus benefícios e resultados em curto e longo prazo, tanto em questões estéticas, mas principalmente relacionadas à saúde e qualidade de vida.

Neste artigo, iremos fazer uma breve abordagem sobre a história e origem da drenagem linfática e como esta técnica chegou até o Brasil. Confira!

COMO TUDO COMEÇOU

Embora Hipócrates, conhecido como o pai da medicina, tenha percebido a existência do sistema linfático no ano 450 a.C, somente muito depois  foi que o italiano Gaspar Asseli, professor, dentre outros anatomistas, puderam confirmar tal observação de forma científica e desenvolver seus estudos através da observação de veias em animais.

Mulher recebendo drenagem linfática

Logo, em 1651, um médico francês se dedicou ao estudo do conduto linfático, e descobriu um sistema situado próximo ao umbigo humano, no lado esquerdo do abdome. Seu nome era Pecquet e este sistema foi batizado em sua honra.

Outro anatomista que contribuiu para o desenvolvimento da linfografia foi Bartholin e Rudbeek, ambos consolidaram a noção que temos hoje sobre o sistema linfático.

A ORIGEM DA MASSAGEM MANUAL

Em 1892 a drenagem linfática manual ficou conhecida como massagem para o escoamento de líquidos excedentes, que causavam inchaço e edemas, mas só passou a ser utilizada no ano de 1932 na Europa.

Um médico, Dr Emil Vodder e sua esposa Estrid, tratavam de pessoas acometidas por gripes e sinusites, estimulando as linfas presentes em seus pescoços. Observando os excelentes resultados obtidos através deste procedimento, o casal acabou criando um método mais abrangente e eficaz, que ainda hoje é utilizado por massoterapeutas do mundo todo e recomendado por cirurgiões e especialistas.

A DRENAGEM LINFÁTICA NO BRASIL

No Brasil, a divulgação do método se deu através de Waldtraud Ritter Winter, ex aluna do Dr. Vodder. A técnica era inicialmente utilizada somente para fins estéticos, como forma de conter a obesidade e reduzir as medidas corporais, mas atualmente já é recomendada para tratar outros problemas como o inchaço durante a gestação e pós-parto, sintomas de retenção de líquido, TPM, pós-cirurgias plásticas, dores e cansaço extremo.

QUAL O PROFISSIONAL DEVE FAZER DRENAGEM?

A drenagem linfática como conhecemos hoje deve ser aplicada por profissionais competentes para que os gânglios linfáticos não sofram qualquer dano por falta de conhecimento técnico, ou da anatomia do corpo humano. Desta forma o cliente obterá resultados melhores e se sentirá mais satisfeito.

Os profissionais responsáveis pelos atendimentos devem ser aqueles que possuem formação em primeiro lugar, mas que possuam conhecimentos suficientes sobre o funcionamento do corpo humano. Dentre estes, podemos destacar os massoterapeutas, fisioterapeutas e esteticistas.”
Fonte: http://www.dicasdemassagem.com.br/historia-e-origem-da-drenagem-linfatica#ixzz3HNhYFKTf

Contracturas musculares – Tratamento

ifr_hombro_2A contractura muscular é uma das causas mais frequentes de dor na região das costas, em cima dos ombros e na nuca.

Uma contractura é um encurtamento ou uma contracção de um músculo. Um músculo fica contraído quando não pode ser distendido ou sofre um espasmo prolongado. O encurtamento de um músculo vai exercer uma tracção anormal sobre ossos ou articulações nos quais está envolvido.
Considera-se que há contractura quando  um grupo muscular ou músculo padece de uma contractura quando este se mostra endurecido e com dor na palpação, proveniente d o excesso de substâncias tóxicas, entre elas o ácido láctico, as responsáveis por esta dor.

A fáscia também pode encurtar ou perder a sua mobilidade quando sujeita a factores de stress, directos ou indirectos. Existem inúmeras causas que provocam o aparecimento de contracturas, uma das mais frequentes é a adopção de posições corporais inadequadas, o excesso de esforço (a fadiga muscular), ostraumatismos musculares etc.

 costas3dOs sintomas mais importantes são a rigidez do músculo afectado e a dificuldade ou impossibilidade de mover o segmento corporal, a dor local, que normalmente se manifesta ao palpar o músculo ou ao tentar mover o segmento corporal que ficou imobilizado. 

Uma contractura não impede as actividades diárias mas as dificulta. Muitas vezes, ao tocar a região, é possível identificar certo endurecimento muscular bem delimitado.

Tratamento:
Termoterapia profunda e superficial
Massagem para favorecer a eliminação do ácido láctico e outros resíduos
Electroestimulação

Cuidado, pois não devemos dedicar-nos com boa intenção a massajar a zona imediatamente já que em muitas ocasiões uma contracção muscular intensa é um mecanismo de protecção e, se não tivermos experiência pode parecer-nos uma contractura, o que na realidade será talvez uma pequena rotura fibrilar e massajá-la pode piorar o diagnóstico.