Tudo está dando errado na sua vida? Pare e reflicta nestes 13 aspectos

“Todos sabemos que a vida é feita de “altos e baixos“, onde momentos “bons” são intercalados com momentos “ruins”, não necessariamente nesta ordem. Em determinadas fases, nos encontramos felizes e radiantes, parece que o universo conspira ao nosso favor.

Capturar

Em contrapartida, existem outras fases que parece que a vida perde o controle e tudo fica de “cabeça para baixo“; e nós acompanhamos o ritmo, perdemos o rumo e nos sentimos confusos em meio a tanta desordem, colaborando com nossas condutas para o prolongamento da situação. Uma desilusão aqui, um desencontro ali, uma decepção acolá, e neste somatório, nos sentimos usurpados pela vida, onde temos a falsa impressão de que as coisas não tem mais jeito.

Engano! Tem jeito sim!

A boa noticia é que nenhum problema ou desafio permanece para todo o sempre e muitas vezes a pedra de tropeço no seu caminho é aquela oportunidade de avanço. A vida é mesmo assim, vamos acertando e errando, caminhando e caindo. Nesta caminhada temos avanços e retrocessos e assim vamos aprendendo. O bom disso tudo é que, em sua sabedoria, a vida sempre traz compensações, pois daqui a pouco as regras mudam e o jogo se inverte configurando um novo panorama.

Se você está passando pela fase das “bruxas soltas” este texto foi feito especialmente para você. Agora, ao invés de se lamentar de sua situação um tanto indesejada, tome algumas atitudes para tentar mudar seu estado. Este é o momento de parar, respirar fundo e refletir em 13 aspectos para serem lembrados e praticados em momentos delicados.

1- Tudo na vida tem um lado positivo:

Perceba a crise como sua aliada, como uma oportunidade de crescimento, aprendizado e mudança para uma vida melhor. As dificuldades nos convidam a sair do lugar comum, da nossa zona de conforto. Nos momentos de dificuldades, somos compelidos a aguçar a nossa criatividade, persuasão e imaginação na resolução de conflitos e desafios.

Neste momento buscamos desenvolver estratégias que não desenvolveríamos se não tivéssemos nenhuma crise deflagrada. Portanto, a ideia é focar sempre nos aspectos positivos das experiencias, agarrando-se a elas, pois esta visão otimista será o suporte no momento de lutas travadas, tornando-nos mais fortalecidos e fazendo-nos progredir sempre.

 

2- Se for necessário, deixe ir embora, se desapegue:

Cada um de nós tem aquela intuição através de mensagens subliminares de que algo chegou ao fim, embora muitas vezes não queiramos aceitar. Outras vezes, a mensagem é totalmente explicita. Não tente reter coisas, pessoas ou circunstancias que não querem permanecer ou que já se foram, pois é perda de tempo, esforço e energia. Presentifique sua vida.

Deixe o passado deteriorado para trás e abra espaço para novas possibilidades. Sempre acredito que se algo não deu certo é porque outra coisa melhor está por vir. Vá ao encontro, não fique parado se lamentando. Como relatei em um outro texto: Não existem perdas, o que se foi cumpriu o seu propósito. Agradeça, tome uma atitude proativa e passe para a etapa seguinte.

3- Perdoe e siga o seu caminho:

Sem o perdão a vida se torna inviável, pois é impossível viver carregando lixo emocional, visto que este é altamente tóxico para nossa saúde física e psíquica. O rancor, a magoa, o ódio, o ressentimento e a falta de perdão são energias estagnadoras que impedem nosso progresso e prosperidade. O perdão é a fonte da transmutação do ser, da conexão com o “eu” divino.

Deste modo, perdoar a quem nos prejudicou não é somente um ato de benevolência para com o outro, mas sobretudo uma atitude de inteligência para connosco, embora não seja um processo fácil. Mas acredite, vale a pena. Uma vida de qualidade advém de bons sentimentos, de bem estar e de completude. Estes estados não apresentam afinidade com ressentimentos ou sentimentos de vingança. Descarregue os sentimentos “ruins”, perdoe, se alivie e siga em frente, afinal de contas todos nós erramos.

 

4- Toda experiencia é transitória:

Tudo na vida passa, nada é definitivo. Esta frase pode parecer clichê, mas geralmente é esquecida quando nos desesperamos diante de determinadas situações que parecem não ter fim. Tem momentos que parecem eternos, nos tirando a paz e o sossego. Diante da pressão e do estresse de acontecimentos desagradáveis, parece que a Via Crucis é interminável. Mas tudo se renova e se transforma, tudo tem inicio e término. Aproveite para aprimorar-se com as dificuldades e tirar sempre uma lição de vida para si.

5- Não assuma posição de vitima:

Se algo está desorganizado em sua vida, você contribuiu direta ou indiretamente. Sendo assim, reflita e reveja os pontos em que falhou, aprendendo com cada um deles. Assuma uma posição de pessoa ativa, responsável e consciente.

Quando você assume o papel de vitima, o poder da sua vida passa para as mãos de terceiros, sendo você mero espectador impotente diante dos fatos e das pessoas. Responsabilize-se por sua vida e transforme a sua realidade com atitudes assertivas. Infelizmente não podemos transformar tudo em um passe de mágica; portanto tenha paciência para esperar a tempestade passar, pois sem chuva as arvores não crescem e os campos não florescem.

 

6- Seja paciente com a vida:

Nada acontece por acaso e tudo na vida é uma construção ou desconstrução. Sendo assim, tudo tem seu tempo, sendo necessário desenvolvermos a paciência, a perseverança, a tolerância e a sabedoria para esperarmos o tempo certo das coisas sem frustração.

No entanto, nunca confunda passividade com paciência. A espera associada à perseverança é uma conduta ativa e consciente onde trabalhamos no que podemos na construção do nosso propósito. O problema é que na atualidade, perdemos o sentido e o significado processual, ou seja, queremos tudo pronto, bem feito e se possível para ontem.

Nem sempre o tempo para que algo aconteça é o tempo que estipulamos. Em muitas situações, podemos e devemos ser ativos, mas em outras a espera é necessária. Como diz a sabedoria bíblica, tem certas ocasiões na vida que mais vale ser paciente que valente. Vale a pena esperar o desabrochar do broto, do contrário não vislumbraremos a beleza da rosa.

7- Decida ser feliz:

Para sermos felizes não precisamos de nenhuma condição especifica. Geralmente postergamos a felicidade para quando tivermos isto, para quando acontecer aquilo. A felicidade não está associada a nenhuma condição externa. Não procure a felicidade ao lado ou logo ali na primeira esquina. A felicidade está dentro de você, aqui e agora.

Ela está nas pequenas coisas, nas pequenas alegrias, nas entrelinhas que tantas vezes passam despercebidas. Tanto é verdade que quando nos sentimos nostálgicos, as memórias de felicidade estão associadas a pequenas coisas e pequenos gestos; aqueles simples. Sendo assim, decida ser feliz hoje, pois certamente embora você não tenha tudo, você tem o suficiente para decidir se posicionar em uma atitude de felicidade e regozijo diante da vida. Observe!

 

8- Seja grato por tudo que tem:

Somos seres da dimensão da falta e da ordem do desejo e portanto nunca teremos tudo. Sendo assim, agradeça o que possui ao invés de reclamar o que ainda não possui. Valorize o que você tem e o que conquistou. Geralmente estamos focados no que queremos conquistar ou no que não temos. Nunca estamos disponíveis para saborear nossas conquistas e já queremos logo outra coisa. Vivencie suas vitórias e lembre-se que sem sentimento de gratidão não poderemos usufruir da verdadeira felicidade, já que estaremos focados na incompletude e na frustração.

9- Mantenha firmes a fé e a esperança na vida:

Todos temos adversidades e estas nos fortalecem quando bem vivenciadas. Não desanime diante dos obstáculos, nem se esconda em seu caracol, em seu casulo. Viva, adquira experiencia, cresça, aprimore-se. Abra a alma e o peito pra vida; esteja e seja pro que der e vier. Comece ressignificando seu sistema de crenças, na maioria delas, limitantes e negativas.

Muitas vezes a vida reserva surpresas, portanto, mantenha uma posição otimista, mesmo que tudo prove o contrário. Uma posição otimista é capaz de verdadeiros milagres. Experimente esta proposta e veja os resultados.

 

10- Transmute dificuldades em oportunidades:

Na vida não existe gratuidade e sendo assim, não existem grandes vitórias sem grandes lutas. Grandes transformações necessitam de tempo de elaboração. Aproveite cada dificuldade que a vida oferece para ter mais sabedoria, para desenvolver novas habilidades e capacidades. Através da determinação, do trabalho, do otimismo, da perseverança e da força de vontade poderemos transformar dificuldades e superar as próprias limitações.

As melhores oportunidades geralmente se apresentam em forma de dificuldades disfarçadas. Observe atentamente as dificuldades e veja onde e como pode tirar uma oportunidade de crescimento e realização. Portanto não se lamente, mas agradeça. Utilize todas as circunstancias “boas ou “ruins” para o aprimoramento de todas as áreas da sua vida.

11- Viva o momento presente:

Esteja integrado, envolvido, implicado, unificado e conectado no seu sagrado presente e suas imensas possibilidades, pois o “agora” é um milagre que não se repete. Apreciar cada momento e seu encanto é se oportunizar desenvolver um estado pleno de consciência do que está a volta, bem como de seus processos internos, sendo uma forma de autoconhecimento.

Revisite o seu passado apenas para não repetir padrões disfuncionais de experiencias malogradas ou para lembrar-se de alguma lição de vida. Geralmente vivemos preocupados com o futuro ou com o passado e não existe nada de mais irracional.

Isto porque o passado já não é mais e o futuro você nem sabe se virá. Somos condicionados a “fugir” do momento presente, mas devemos praticar diariamente esta conecçao com o hoje, o agora, porque é no aqui e no agora que poderemos modificar ou fazer algo por nós e pela vida. Por este motivo, não sofra pelo que passou e nem antecipe o que você hipotetiza acontecer. Viva o agora. O hoje é a sua grande oportunidade.

 

12- Não pretenda ter o controle de tudo:

Como foi relatado anteriormente, devemos ser proativos, ter atitude e sermos agentes de transformação das nossas próprias experiencias. No entanto, em alguns aspectos, somos limitados. Deste modo, é necessário discernir entre o que podemos e devemos modificar e o que não podemos sequer controlar.

Não podemos controlar pessoas, algumas circunstancia ou situações, mas podemos modificar e controlar a nós mesmos. A partir de uma mudança de disposição e de conduta, indiretamente as pessoas e circunstancias também mudarão. Mantenha-se sempre motivado, agindo de acordo com os recursos de que dispõe.

13- Reinvente sua própria vida, construa a vida que deseja:

Tudo o que mais desejamos na vida é sermos felizes, completos, plenos e satisfeitos. Vire a pagina, experiente novas vivencias, novas emoções; experimente uma nova vida. Comece uma faxina emocional: jogue fora todo e qualquer sentimento negativo, nocivo, tóxico ou destrutivo. Livre-se de seus medos e de suas limitações. Faça escolhas conscientes e sobretudo ame-se. Todo movimento de transformação começa com o amor próprio. Seja co-criativo.

Para refletir:

E’ no momento da batalha que você desenvolve sua “força interior”. Se você persistir, a vitoria será sua. Não baixe a cabeça para as dificuldades. A sua vida, só você pode mudá-la, só você pode consertá-la, só você pode reescreve-la. O auxilio externo é muito importante como suporte em momentos delicados, mas o movimento de mudança deve necessariamente partir de você. Ninguém pode fazer este trabalho. Sendo assim, reavalie estes 13 aspectos da sua vida, mude de perspectiva e não perca mais tempo: abrace a felicidade e viva uma vida de qualidade que é sua por direito.”

(Autor: Soraya Rodrigues de Aragão )

(Imagem: Brooke Shaden)

(Fonte: alquimiadavida.org ) http://www.fasdapsicanalise.com.

Texto em PT/BR

Anúncios

AS 7 EMOÇÕES NEGATIVAS SEGUNDO A MEDICINA CHINESA

man-person-people-emotions-large“As sete emoções básicas relacionadas às funções orgânicas são a raiva, alegria, preocupação, pensamento obsessivo, tristeza, medo e choque (pavor). Apesar da conexão mente/corpo ter sido reconhecida relativamente há pouco tempo na medicina ocidental, a interacção das emoções com o corpo físico é um aspecto essencial na Medicina Tradicional Chinesa.

Cada órgão corresponde a uma emoção e o desequilíbrio dessa emoção pode afectar a função do órgão. Por exemplo, a raiva prolongada pode levar a um desequilíbrio no fígado. Ao mesmo tempo, desequilíbrios no fígado podem produzir sintomas de raiva que geralmente levam a um ciclo auto-perpetuador.

Ao discutirmos o aspecto emocional do processo da doença, é importante lembrar que é normal sentirmos a gama completa das emoções. Uma fonte de desequilíbrio surge somente quando uma emoção em particular é vivenciada por um período prolongado de tempo ou com uma intensidade específica.

Certamente é importante que uma pessoa com problemas emocionais sérios recorra à ajuda profissional de um psicoterapeuta. Mas, mesmo nesses casos, a terapia é mais eficaz quando o desequilíbrio do órgão correspondente é ajustado. A acupunctura é especialmente eficaz no tratamento de desordens emocionais. Mesmo quando ela não é completamente eficaz no tratamento de distúrbios físicos, quase sempre ela proporciona um estado de paz emocional.

RAIVA
Está associada ao fígado. Por sua natureza, a raiva causa o aumento do qi, o que provoca rosto e olhos avermelhados, dores de cabeça e vertigens. Isso coincide com o padrão de aumento do chamado fogo do fígado. A raiva também pode fazer o Chi do fígado “atacar o baço”, produzindo falta de apetite, indigestão e diarreia, geralmente isso ocorre com pessoas que discutem na mesa de refeições ou comem enquanto dirigem.

Numa visão mais a longo prazo, a raiva ou frustração reprimida normalmente causa a estagnação do qi e isso pode resultar em depressão ou desordens menstruais. É interessante notar que as pessoas que ingerem ervas para liberar o Chi estagnado do fígado normalmente experimentam surtos de raiva quando a estagnação é liberada. A raiva passa quando o equilíbrio é restaurado. Da mesma forma, geralmente a raiva e a irritabilidade são os factores determinantes no diagnóstico da estagnação do Chi do fígado.

Muitas pessoas ficam aliviadas ao saber que sua raiva tem um fundo fisiológico. É essencial evitar ingerir café durante o tratamento de desordens do fígado relacionadas à raiva, pois o café aquece o fígado e intensifica muita a condição desfavorável.

ALEGRIA
A emoção da alegria está ligada ao coração. Uma desordem relacionada à alegria pode parecer estranha, já que a maioria das pessoas deseja o máximo de alegria em suas vidas. As desordens dessa emoção não são causadas pela felicidade. O desequilíbrio surge quando entusiasmo ou estímulos excessivos ocorrem ou boas notícias súbitas chegam como um choque para o sistema.

Ao avaliar os níveis de stress, os psicólogos verificam todas as fontes de stress: positivas e negativas. É claro que a morte de um cônjuge ou a perda de um emprego é uma fonte significante de estresse. Porém, um casamento ou promoção no emprego, ainda que seja uma ocasião feliz, também é uma fonte de stress.

Uma pessoa que está constantemente saindo, frequentando festas e vivendo uma vida de excessos, pode acabar desenvolvendo desequilíbrios do coração como palpitações, ansiedade e insónia. Uma pessoa com desequilíbrios no coração também pode demonstrar sintomas emocionais, já que o coração é o lar do espírito (shen). Uma pessoa com sérios distúrbios no shen do coração pode ser vista conversando alegremente consigo mesma e tendo surtos de gargalhadas.

Tal comportamento resulta da incapacidade do órgão do coração em proporcionar um local de descanso estável para o espírito. Esse tipo de desequilíbrio é tratado com acupunctura ao longo do meridiano do coração. Os tratamentos herbários consistem em fórmulas que nutrem o sangue do coração ou yin. Se o fogo do coração perturba o espírito, ervas que limpam o calor do coração são usadas.

PREOCUPAÇÃO
A preocupação, uma emoção muito comum em nossa sociedade repleta de stress, pode emoçõesesgotar a energia do baço. Isso pode causar distúrbios digestivos e acabar levando à fadiga crónica: um baço enfraquecido não pode transformar o alimento em Chi de maneira eficaz e também os pulmões são incapazes de extrair o Chi do ar eficientemente.

Uma pessoa que se preocupa muito “transporta o peso do mundo sobre seus ombros”, e uma palavra que descreve muito bem como uma pessoa se sente quando o qi de seu baço está fraco é depressão. O tratamento inclui moxa e ervas que fortificam o baço, o que proporciona à pessoa energia para lidar com os problemas da vida em vez de vivenciá-los.

PENSAMENTO OBSESSIVO
Pensar excessivamente ou obsessivamente sobre um assunto também pode esgotar o baço, o que causa a sua estagnação. Uma pessoa com essa condição pode exibir sintomas como falta de apetite, esquecimento de se alimentar e inchaço após comer. Com o tempo, a pessoa pode desenvolver uma complexão pálida devido à deficiência de qi do baço. Eventualmente, isso pode afectar o coração, fazendo a pessoa sonhar com os mesmos assuntos à noite. Geralmente os estudantes são afetados por esse desequilíbrio. O tratamento padrão é usar ervas que tonifiquem o sangue do coração e o qi do baço.

TRISTEZA
A tristeza ou pesar afecta os pulmões, produzindo fatiga, falta de ar, choro ou depressão. O tratamento dessa condição envolve acupunctura para os pontos ao longo dos meridianos do pulmão e rim. Normalmente, fórmulas herbárias são usadas para tonificar o chi ou yin dos pulmões.

MEDO
A emoção do medo está relacionada com os rins. Essa ligação pode ser prontamente percebida quando o medo extremo faz uma pessoa urinar incontrolavelmente. Nas crianças isso também se manifesta quando elas urinam na cama, o que os psicólogos associaram com insegurança e ansiedade.

A ansiedade prolongada devido às preocupações com o futuro pode esgotar o yin, yang e qi dos rins, o que pode eventualmente levar à fraqueza crónica. O tratamento envolve tonificar os rins com tónicos yin ou yang, dependendo dos sintomas particulares.

CHOQUE(PAVOR)
O choque é especialmente debilitante para os rins e o coração. A reacção “lutar ou fugir” causa uma libertação excessiva de adrenalina das glândulas adrenais ou supra-renais, que se localizam sobre os rins. Isso faz o coração responder com palpitações, ansiedade e insónia.

O estresse crônico oriundo do choque pode ser muito debilitante para o sistema inteiro, causando uma ampla gama de problemas. O choque severo pode ter um efeito duradouro sobre o shen do coração, como fica evidente em vítimas da síndrome do stress pós-traumático. O tratamento envolve psicoterapia, ervas que acalmam o espírito e nutrem o coração e rins, e tratamentos regulares de acupunctura.”

______

Fonte: Interação Holística

20 Dores corporais e a relação delas com os sentimentos

“A dor fala mais do que estamos vivendo do que se imagina.
Se você está sofrendo com algum tipo de dor, este post pode ajudar a encontrar a causa. Não se assuste se essa causa não for uma inflamação ou lesão, mas um problema emocional.
Capturar
Preparamos esta matéria com muito carinho. Pois temos certeza de que ela vai ajudar muitas pessoas, que poderão se livrar de sua dor física a partir do instante que se curarem da dor interior.

Aprenda a decodificar a mensagem do seu corpo e seja mais feliz:
1. Dores musculares: revela que a pessoa está com dificuldades em aceitar mudanças.
A pouca flexibilidade na vida pode ser prejudicial, procure se adaptar às novas situações.

2. Dor de cabeça: você tem uma decisão a tomar?
Então se posicione!
A tensão provoca estresse. Procure relaxar e deixar a mente mais leve.

3. Dor de garganta: esta é uma dor bem comum e pode ser o indicador de que você está com problemas de perdoar, seja os outros ou até a si mesmo(a).
Reflita sobre o amor e a compaixão.

4. Dor nas gengivas: talvez seja a dificuldade de tolerar ou de tomar decisões.
A indecisão e o desconforto causado por ela são muito perigosos! Cuidado!

5. Dor nos ombros: pode indicar uma sobrecarga emocional. Não carregue tanto peso sozinho(a), distribua. Além disso, não acumule problemas, resolva-os.6. Dor de estômago: parece engraçado, mas é real.
Se você não “geriu” bem alguma situação ruim, pode ter dores no estômago.

7. Dores na parte superior das costas: procure alguém para compartilhar os problemas e alegrias.
Este pode ser o indício de que você precisa de apoio emocional.

8. Dor na região lombar: pode ser sinal de falta de dinheiro ou de apoio emocional.
Seja optimista e reaja.

9. Dores no sacro e cóccix: há situações que precisam ser resolvidas e você está ignorando?
Pense bem.

10. Dor de cotovelo: outra parte do corpo que está bem relacionada à resistência a mudanças.
Ouse! Se não for possível, pelo menos trabalhe sua mente para se ver livre do que está pressionando.

11. Dor nos braços: é pesado carregar algo ou alguém com muita carga emocional.
Veja se é necessário mesmo fazer isso. Reflita sobre o assunto.
12. Dor nas mãos: mostra falta de conexão com as pessoas ao seu redor.
Procure fazer novos amigos e estreitar os laços de amizade com os mais antigos.

13. Dor nos quadris: se você anda com medo de agir, isso pode resultar em dor nos quadris. Está pensando em novas ideias?
Posicione-se! Isso vai lhe dar grande alivio.

14. Dor nas articulações: músculos e articulações são flexíveis.
Seja como eles: procure novas experiências na vida – com responsabilidade.

Joelho15. Dor nos joelhos: provavelmente seja o orgulho. O que acha de ser humilde e aceitar as diferenças e circunstâncias?
Sabemos que não é fácil. No entanto, é necessário. Você é mortal, como todos os outros – não perca tempo e viva em amor.

16. Dor de dente: pense positivo. Se estiver em situações difíceis, tenha fé que tudo será resolvido.
Esta dor simboliza um fato que não está agradando a você.

17. Dor no tornozelo: seja mais tolerante com si mesmo(a).
Permita-se ser feliz e não cobre tanto. O que acha que dar um toque especial na vida amorosa?

18. Dor que causa fadiga: viva novas experiências.
Livre-se do tédio!

19. Dor nos pés: um novo passatempo ou um animal de estimação pode pôr fim à vida deprimida de qualquer pessoa.
Não permita pensamentos negativos, e os positivos farão você “voar”.

20. Dores em várias partes do corpo: nosso corpo é formado por energia.
Se você estiver uma pessoa muito negativa, vai sofrer dores e ter uma queda na imunidade.
Cuidado!”
__________
Fonte: Cura Pela Natureza

AS 7 EMOÇÕES NEGATIVAS SEGUNDO A MEDICINA CHINESA

“As sete emoções básicas relacionadas às funções orgânicas são a raiva, alegria, preocupação, pensamento obsessivo, tristeza, medo e choque (pavor). Apesar da conexão mente/corpo ter sido reconhecida relativamente há pouco tempo na medicina ocidental, a interação das emoções com o corpo físico é um aspecto essencial na Medicina Tradicional Chinesa.

featured18@wdd2x

Cada órgão corresponde a uma emoção e o desequilíbrio dessa emoção pode afetar a função do órgão. Por exemplo, a raiva prolongada pode levar a um desequilíbrio no fígado. Ao mesmo tempo, desequilíbrios no fígado podem produzir sintomas de raiva que geralmente levam a um ciclo auto-perpetuador.

Ao discutirmos o aspecto emocional do processo da doença, é importante lembrar que é normal sentirmos a gama completa das emoções. Uma fonte de desequilíbrio surge somente quando uma emoção em particular é vivenciada por um período prolongado de tempo ou com uma intensidade específica.

Certamente é importante que uma pessoa com problemas emocionais sérios recorra à ajuda profissional de um psicoterapeuta. Mas, mesmo nesses casos, a terapia é mais eficaz quando o desequilíbrio do órgão correspondente é ajustado. A acupuntura é especialmente eficaz no tratamento de desordens emocionais. Mesmo quando ela não é completamente eficaz no tratamento de distúrbios físicos, quase sempre ela proporciona um estado de paz emocional. Continuar a ler

15 dicas para libertar a sua mente

Fonte: google

Fonte: google

“O mundo de stress, preocupações, projectos, afazeres e ruídos que temos diariamente de enfrentar, inflige-nos uma mente caótica e desorganizada, que muitas vezes parece estar a arrebentar pelas costuras. Uma mente que, por vezes, não consegue encontrar aquela calma que desesperadamente procuramos. Nos dias que correm, se há alguma coisa que precisa de desanuviar, é o nosso cérebro. Mas como fazê-lo? Os nossos pensamentos não estão simplesmente aí deitados, à espera de uma varinha mágica para os colocar ordeiramente nos seus devidos lugares.

O nosso cérebro é um órgão complicado e complexo, coberto de camadas e camadas (conscientes e inconscientes) de recordações boas e más, traumas diversos, alegrias inesquecíveis, trivialidades do quotidiano, reflexões profundas e segredos escondidos. Uma teia tão densa que muitas vezes até os psicanalistas têm dificuldade em decifrar.

E então como é que nós vamos conseguir pôr ordem no “andar de cima”? Na realidade é muito simples: por isso mesmo é que lhe chamamos simplicidade. E simplificar é tornar algo menos complexo, é descomplicar.

Pode começar por clarear a mente com pequenas acções, gestos simples que terão, sem dúvida, um efeito positivo. Como já foi aqui mencionado várias vezes, as coisas pequenas podem fazer uma grande diferença, principalmente se forem utilizadas em conjunto. Experimente algumas das nossas sugestões e veja o que funciona melhor para si e para a sua mente.

  1. Respirar. Tão simples, tão eficaz. Respire fundo várias vezes, concentrando-se lentamente na sua própria respiração – siga atentamente o ritmo inspirar-expirar. O seu efeito é altamente tranquilizador e à medida que se vai concentrando neste movimento tão básico, os pensamentos parecem desvanecer, dando lugar à claridade mental.
  2. Anotar. Quantos vezes não ouviu alguém dizer “tenho a cabeça cheia”? E quantas vezes não proferiu esta expressão? Se tem a cabeça cheia de pensamentos, ideias e coisas para fazer, pegue num caderno e passe tudo para o papel. Agora que está tudo escrito preto no branco, a sua cabeça pode descansar e deixar de estar constantemente a ter de se lembrar de tudo.
  3. Identifique o essencial. Infelizmente, enchemos muitas vezes a nossa mente com detalhes triviais e coisas completamente desnecessárias. Uma cabeça tranquila é aquela que foca apenas o essencial – pare para pensar nas coisas que são realmente importantes na sua vida e dê-lhes a devida atenção… uma de cada vez claro está.
  4. Eliminar. Agora que identificou o que é essencial, faça o inverso, identifique o que não é essencial na sua vida. Se não é relevante para si, não é essencial. Esqueça de uma vez por todas… tem coisas bem mais importantes em que pensar.
  5. Diário. Muito parecido com a sugestão “anotar” acima apresentada, esta vai um pouco mais longe, um pouco mais profunda. Manter um diário (seja num caderno ou num blogue online) irá ajudá-lo a explorar as diferentes áreas da sua vida, principalmente aquelas sobre as quais pensa pouco. Para além disso, esta descoberta vai ainda ser útil no sentido em que vai trazer ao de cima coisas que nem sabia ter em mente, algumas das quais vai poder analisar, outras simplesmente eliminar. Acima de tudo, só o facto de passar estes pensamentos da cabeça para o diário, é uma forma de desanuviar.
  6. Ritmos de sono. Por vezes dormimos de menos, outras vezes, demais. Os nossos ritmos de sono nem sempre são os ideais, por isso mesmo vale a pena reconsiderar a forma como dorme. A alteração de padrões de sono pode fazer maravilhas a qualquer mente cansada.
  7. Dê uma caminhada. Não há nada como sair para a rua, apanhar ar fresco e dar um passeio para pôr as ideias em ordem e descansar a mente. Não interessa o que fizer – jogging, regar o jardim, um passeio de bicicleta – o mais importante é que faça algum tipo de actividade física.
  8. Veja menos televisão. Deitar-se em cima do sofá em frente à televisão pode parecer, à primeira vista, muito relaxante. No fundo não o é. A televisão é mais uma fonte de ruído, uma verdadeira overdose de informação, ao invés dos benefícios calmantes de um bom livro, uma música tranquila ou uma boa conversa. Veja menos televisão e em pouco tempo vai reparar como o seu cérebro está mais sereno.
  9. Na companhia da natureza. Semelhante à dica 7, a diferença é a procura da natureza: um jardim, uma praia, um campo, um lugar tranquilo, sem a agitação das cidades. Há quem goste particularmente de apreciar a chuva, apontando-a como uma força simultaneamente calmante e regeneradora.
  10. Faça menos. Pegue na sua lista de afazeres e risque metade daquilo que está lá escrito. Escolha apenas 2 ou 3 tarefas para fazer hoje, focando-se apenas nessas. Esqueça o resto. Se fizer menos, terá menos em que pensar.
  11. Mais devagar. Pode parecer demasiado simplista, mas a verdade é que falar, andar, conduzir e comer mais devagar pode fazer a diferença entre uma mente caótica e uma mente sossegada. É como se afirmasse: não vou viver a vida a correr, pressionado pelos outros e um prisioneiro do relógio… vou viver ao meu ritmo. Um estilo de vida a baixa velocidade reflecte-se numa mente onde reina a quietude.
  12. Esqueça. Está preocupado com aquilo? Está zangado com ela? Frustrado? Cheio de ressentimentos? Embora todas estas emoções e pensamentos sejam 100% naturais, no fundo são também todos eles completamente desnecessários. Veja se consegue pôr tudo isso para trás das costas, esquecer de uma vez por todas. Sim, sabemos que é muito mais difícil do que parece, mas vale a pena o esforço.
  13. Organize o seu ambiente. Uma mente tranquila precisa de um ambiente igualmente sereno, o que significa que uma casa e/ou um escritório desarrumado é um caos visual que a sua mente assimila mais depressa do que você pensa.
  14. Uma coisa de cada vez. Vivemos num mundo multi-funcional, onde a corrida contra o tempo obriga-nos a fazer mil e uma coisas em simultâneo, mas sem grandes resultados em termos de produtividade e felicidade. Para variar, experimente fazer uma coisa de cada vez. Concentre-se completamente naquilo que tem em mãos e passe para a próxima tarefa apenas quando esta estiver concluída. Repita.
  15. Desabafe. Falar com alguém próximo e que saiba ouvir – o seu parceiro, melhor amigo, mãe, pai – é uma das formas mais eficazes de desanuviar a mente. Desabafe. Tudo. Depois devolva o favor. Apesar de ser apenas conversa, fará maravilhas à sua sanidade mental. Acredite.”
    Fonte: estadozen.com

As 12 fases do Síndrome de Burnout (esgotamento)

Frustrated office manager overloaded with work.“O Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico de carácter depressivo, precedido de esgotamento físico e mental intenso, definido em livros médicos como “() um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional“.

A denominação vem do inglês “to burn out” (queimar por completo), também chamada de síndrome do esgotamento profissional; foi assim chamada pelo psicanalista nova-iorquino Herbert J. Freudenberger, após constatá-la em si mesmo, no início dos anos 1970.

A dedicação exagerada à actividade profissional é uma característica marcante da síndrome, mas não a única. O desejo de ser o melhor e sempre demonstrar alto grau de desempenho é outra fase importante da síndrome: o portador de Burnout mede a auto-estima pela capacidade de realização e sucesso profissional.

Sofre com o que tem início com satisfação e prazer, mas que termina quando esse desempenho não é reconhecido.

Nesse estágio, a necessidade de se afirmar e o desejo de realização profissional se transformam em obstinação e compulsão. O paciente nesta busca sofre, alem de problemas de ordem psicológicas, forte desgaste físico, gerando fadiga e exaustão.

Os 12 estágios de Burnout

1. Necessidade de se afirmar ou provar ser sempre capaz.

2. Dedicação intensificada – com predominância da necessidade de fazer tudo sozinho e a qualquer hora do dia (é o chamado imediatismo);

3. Descaso com as necessidades pessoais. Por exemplo: comer, dormir, sair com os amigos começam a perder o sentido;

4. Recalque de conflitos: o portador percebe que algo não vai bem, mas não enfrenta o problema. É quando ocorrem as manifestações físicas.

5. Reinterpretação dos valores – isolamento, fuga dos conflitos. O que antes tinha valor sofre desvalorização: lazer, casa, amigos, e a única medida da auto-estima é o trabalho.

6. Negação de problemas – nessa fase os outros são completamente desvalorizados, tidos como incapazes ou com desempenho abaixo do seu. Os contactos sociais são repelidos. Cinismo e agressão são os sinais mais evidentes.

7. Recolhimento e aversão a reuniões (anti-socialização).

8. Mudanças evidentes de comportamento (dificuldade de aceitar certas brincadeiras com bom senso e bom humor).

9. Despersonalização (evitar o diálogo e dar prioridade aos e-mails, mensagens, recados etc);

10. Vazio interior e sensação de que tudo é complicado, difícil e desgastante;

11. Depressão – marcas de indiferença, desesperança, exaustão. A vida perde o sentido;

12. Finalmente, a síndrome do esgotamento profissional propriamente dita, que corresponde ao colapso físico e mental. Esse estágio é considerado de emergência e a ajuda médica e psicológica tem que ser prestadas com urgência.

Segundo o Dr. Jürgen Staedt, diretor da clínica de psiquiatria e psicoterapia do complexo hospitalar Vivantes, em Berlim, parte dos pacientes que o procuram com depressão são diagnosticados com a síndrome do esgotamento profissional.

O professor de psicologia do comportamento Manfred Schedlowski, do Instituto Superior de Tecnologia de Zurique, registra o crescimento de ocorrência de Burnout em ambientes profissionais, apesar da dificuldade de diferenciar a síndrome de outros males, pois ela se manifesta de forma muito variada: “Uma pessoa apresenta dores estomacais crônicas, outra reage com sinais depressivos; a terceira desenvolve um transtorno de ansiedade de forma explícita“, e acrescenta que já foram descritos mais de 130 sintomas do esgotamento profissional.

Burnout é geralmente desenvolvida como resultado de um período de esforço excessivo no trabalho com intervalos muito pequenos para recuperação.

Pesquisadores parecem discordar sobre a natureza desta síndrome. Enquanto diversos estudiosos defendem que Burnout refere-se exclusivamente a uma síndrome relacionada à exaustão e ausência de personalização no trabalho, outros percebem-na como um caso especial da depressão clínica mais geral ou apenas uma forma de fadiga extrema – portanto omitindo o componente de despersonalização. Fonte: (Com informações do Wikipédia e da redacção do Espaço Vital).”